Política

Sondagem: partidos à direita somam mais intenções de voto do que o PS, Bloco sobe, Chega desce e CDS quase desaparece

Bloco de Esquerda estabiliza no terceiro lugar, enquanto o Chega sofre quebra, revela sondagem da Aximage feita para “TSF”, “Jornal de Notícias” e “Diário de Notícias”

Rui Rio e André Ventura, no Parlamento
ANTÓNIO COTRIM/LUSA

03-05-2021

A soma das intenções de voto nos partidos à direita (38,6%) é superior às intenções de voto do Partido Socialista (38,2%). Os dados são revelados pela sondagem da Aximage feita para “TSF”, “Jornal de Notícias” e “Diário de Notícias”. O principal partido da oposição voltou a recuperar o resultado obtido em março, tendo neste momento 26,1% das intenções de voto.

Os últimos dados colocam o Bloco de Esquerda no terceiro lugar, com 9,2% das intenções de voto, beneficiando da quebra do Chega. O partido liderado por André Ventura ocupa o quarto lugar com 7,2% (menos 1,3 pontos percentuais face à sondagem de março).

A nova direita (Chega e Iniciativa Liberal) soma, agora, mais 10 pontos percentuais do que nas legislativas de há dois anos - o que daria assento parlamentar a duas dezenas de deputados. Contudo, a direita clássica teria menos cinco pontos, uma quebra que se deve ao CDS: os centristas somam 0,4% dos votos. Há outro dado muito revelante: cerca de 39,2% dos eleitores do CDS nas últimas legislativas transferem o voto para o Chega.

Já a CDU, apesar de apresentar um resultado pior do que nas legislativas, mantém-se estável nas sondagens. Neste momento conta com 5,7% das intenções de voto.

A sondagem contou com 830 entrevistas, recolhidas entre 22 e 25 de abril, a cidadãos portugueses a residir no país, com mais de 18 anos. O erro máximo de amostragem deste estudo, para um intervalo de confiança de 95%, é de ± 3,4%.