Sociedade

Traficante de seres humanos condenado no Reino Unido com a ajuda de um drone português

Imagens captadas por um drone da empresa portuguesa Tekever permitiram à Justiça britânica dar como provado que era Rebwar Ahmed quem seguia ao leme de uma embarcação que transportava 20 migrantes

É uma tecnologia portuguesa e foi graças a ela que as autoridades britânicas puderam condenar Rebwar Ahmed, de 36 anos, pelo crime de tráfico de seres humanos e migração ilegal. Graças às câmaras do drone Tekever AR5 foi possível provar que era o iraquiano que seguia ao leme da embarcação (um barco inflável rígido) que, a 12 de julho, transportava 20 migrantes, cinco dos quais menores, incluindo uma menina de 10 anos.

Segundo a imprensa britânica noticia esta quinta-feira, esta é a primeira vez que este tipo de meio é usado como prova condenatória pela Justiça. Rebwar Ahmed foi condenado a 31 meses de prisão.

O drone, desenvolvido pela portuguesa Tekever, opera ao serviço do Ministério da Administração Interna britânico desde o final de 2019, adianta a empresa num comunicado, explicando ter a seu cargo “o patrulhamento diário do Canal da Mancha, que liga França ao Reino Unido, voando mais de oito horas por dia”.

“Em 60% das missões são detetadas pequenas embarcações sobrelotadas, algumas em situações de emergência”, acrescenta a mesma nota, na qual Ricardo Mendes, CEO da Tekever, sublinha que a tecnologia em causa “faz a diferença entre a vida e a morte por afogamento”.

O drone que captou as imagens usadas em tribunal é um UAV (Unmanned Aerial Vehicle – veículo aéreo não tripulado) bimotor de asa fixa, concebido para missões de vigilância marítima. Segundo a empresa, “pode voar durante mais de 20 horas e carregar vários equipamentos, como radares, câmaras diurnas e noturnas e recetores de transmissão de localização”. Além de permitir “cobrir grandes áreas”, fornece às autoridades “informações de alta precisão e em tempo real”.

A Tekever foi fundada em 2001, sendo atualmente uma empresa de base europeia, com atividade nos sectores das aeronaves não tripuladas, satélite e espacial, e da transformação digital.

Sociedade