Sociedade

Até agora só cinco instituições de ensino superior passaram sem falhas

27-07-2019

Das 113 universidades e escolas politécnicas examinadas pela Agência de Acreditação, 60 já têm a avaliação publicada. Maioria não cumpre todos os requisitos. Têm um ano para corrigir

Acreditar, acreditar com condições, não acreditar. São estes os três veredictos possíveis no exame às instituições realizado pela Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (A3ES), que já concluiu o processo em relação a 60 das 113 universidades e escolas politécnicas. Só cinco passaram com distinção, recebendo acreditação pelo período máximo de seis anos. Sete chumbaram e vão ter de fechar portas. A grande maioria (48) foi acreditada apenas por um a três anos, tendo esse tempo para corrigir as falhas apontadas pelas comissões de avaliação externa.
Significa isso que há mais instituições em risco? Nem por isso, explica o presidente da A3ES, Alberto Amaral: “A razão de muitas acreditações por um ano tem a ver com a não publicação no site da instituição dos relatórios de autoavaliação dos cursos e dos resultados das acreditações. E este problema é facilmente superável.” Noutros casos, a tarefa de correção e melhoria que têm pela frente é mais complexa e passa por mudar estatutos, corrigir a composição dos vários órgãos, melhorar a qualificação do corpo docente, ter mais investigação ou montar sistemas de garantia de qualidade.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. Pode usar a app do Expresso - iOS e Android - para descarregar as edições para leitura offline)