Política

Autarca da Trofa ‘gosta’ de post que pede uma “câmara de gás” para o Parlamento? PSD elogia “excelente trabalho” de Sérgio Humberto

TIAGO MIRANDA

Já o PS exige “pedido de desculpas”. “Quando deixarmos de nos indignar com estas coisas, tornámo-nos cúmplices”, diz Manuel Pizarro

26-04-2020

O presidente da Câmara da Trofa, o social democrata Sérgio Humberto, terá colocado um 'gosto' numa publicação no Facebook que apela à transformação da Assembleia da República numa câmara de gás. Mas esta manifestação de opinião não incendiou o partido: “Não estamos a falar da página oficial do autarca”, justifica o presidente da distrital do PSD Porto, Alberto Machado.

A história começa numa noticia publicada no JN, este domingo, dando conta de uma publicação do coordenador da equipa de assistentes operacionais da Câmara da Trofa no facebook contra as comemorações do 25 de abril na Assembleia da República."Se houver quem ponha aquele espaço a funcionar como uma câmara de gás, eu pago o gás", diz o texto, com data de 19 de abril e 19 “gostos” até ao momento, um dos quais será do autarca da Trofa e outro do seu adjunto.

Nas reações, há vozes a favor e contra esta proposta. “Eu ajudo a pagar o gás, e quem não estiver contente, pode também ir lá para dentro da Assembleia. Afinal já estamos na ditadura novamente, só não vê quem é burro!!”, diz um comentário. “Pela última frase, apenas um comentário: Você é doente. E os doentes devem tratar-se. Fascismo nunca mais!”, diz outro.

"Não do norte por nascimento, mas do norte por opção e da Trofa de coração", o autor, inconformado por não ter podido visitar a mãe a 19 de abril, no dia em que fez 92 anos, volta hoje ao tema, em resposta aos “indignados”, para “afirmar e reafirmar” que se for preciso paga o gás,

Já o presidente da Câmara da Trofa, Sérgio Humberto, incontactável até à publicação deste trabalho, “continua a merecer total confiança do seu partido”, garante ao Expresso Alberto Machado, presidente da distrital do PSD Porto.

O líder do PSD Porto diz não ter falado com o autarca, mas sublinha que não está em causa a pagina institucional que tem no facebook como presidente da Câmara. Mas não é a sua página pessoal? “Não é a página institucional”, insiste Alberto Machado para acrescentar de imediato que “o Sérgio Humberto tem feito um excelente trabalho como autarca”.

“E ainda agora tivemos todos prova do seu carácter quando anunciou que tinha decidido doar o seu salário do mês de abril a instituições de solidariedade social do concelho, bem como à Delegação da Trofa da Cruz Vermelha”, acrescenta.

“Não vejo qualquer relevância nesta questão como facto político”, conclui sobre o tema Sérgio Humberto, que em janeiro tinha sido noticia por ter pedido a “saída” do Governo do ministro “alucinado” do Ambiente, que acusou de alinhar a extensão do metro do Porto com a sua pretensão a candidatar-se à liderança da câmara daquela cidade.

Bragança Fernandes, ex-presidente da Câmara da Maia e presidente da mesa da distrital do PSD Porto, manifesta, também, “total confiança no amigo e companheiro de partido”. E vai mais longe, garantindo que Sérgio Humberto “nunca na vida teria intenção de passar uma mensagem do género (da transformação da Assembleia da República numa câmara de gás”, “Ele não fez isso. Esse tipo de coisas acontecem e as pessoas nem sabem, nem leram”, acrescenta.

"Quanto mais tentam justificar, mais enlameados ficam"

Já Manuel Pizarro, presidente da distrital do PS Porto, exige "um pedido público de desculpas" ao autarca e garante que aquele gosto "só revela que não tem as qualificações necessárias para o cargo que ocupa". Ao contrário do PSD, o PS diz haver aqui "um facto político da maior relevância e da maior gravidade".

"A declaração do funcionário é profundamente ofensiva para os milhões de vítimas dos campos de extermínio nazis e o presidente da Câmara, mesmo de forma discreta, deu o seu aval a essa declaração", diz. Assim, defende, "O PSD tem obrigação de reagir e o seu presidente, Rui Rio, que se tem distinguido por uma enorme seriedade política durante a pandemia, tem de vir esclarecer a posição do partido nesta matéria".

"Quanto mais tentam justificar, mais enlameados ficam", comenta ainda, certo de que o tema merece "uma condenação clara" num partido que tem dois deputados da Trofa na Assembleia da República e concordou com as comemorações do 25 de abril na Assembleia da República.

E esta posição do autarca causa estranheza? "Não, sempre teve um perfil de intervenção pública que se caracteriza pela alarvidade, embora esta seja a situação mais grave", diz Manuel Pizarro, convicto de que o gosto ter sido feito a partir de uma página pessoal ou oficial, neste caso, em termos de gravidade, "é absolutamente indiferente". "Quando deixarmos de nos indignar com estas coisas, tornámo-nos cúmplices", conclui