Economia

Diretora do FMI questionada por "amaciar" relatório sobre Brasil

Kristalina Georgieva foi recentemente visada numa auditoria que revelou pressões impróprias do Banco Mundial quando a economista búlgara trabalhava na instituição

Remo Casilli/Reuters

27-10-2021

Cerca de 200 funcionários do Fundo Monetário Internacional (FMI) exigiram que a diretora da instituição, Kristalina Georgieva, esclarecesse as alegações de que teria 'amaciado' um alerta sobre os riscos ambientais para a economia brasileira.

Os esclarecimentos foram solicitados por 194 funcionários (sete por cento do total) do FMI, em petição enviada para o provedor da instituição, conforme uma mensagem de correio eletrónico (e-mail) consultada pela Bloomberg.

Este tipo de iniciativa é raro na história do Fundo e ocorreu depois de a Bloomberg ter noticiado que a análise da economia brasileira pelo FMI, ao abrigo do conhecido artigo IV, tinha sido 'temperada', depois de o governo de Bolsonaro ter questionado a linguagem.

Também em e-mail consultado pela Bloomberg, dirigido na segunda-feira ao 'staff' do FMI, Georgieva garantiu que neste caso todas as regras e todos os procedimentos tinham sido respeitados.

Georgieva foi recentemente visada numa auditoria que revelou pressões impróprias do Banco Mundial, quando a economista búlgara trabalhava na instituição, para favorecer a China num relatório sobre o clima de negócios.

A questão da manutenção de Kristalina Georgieva, de 68 anos, à frente do FMI, surgiu após a publicação, em 16 de setembro, das conclusões de uma investigação conduzida pelo escritório de advogados WilmerHale.

Os autores do documento apontaram irregularidades na elaboração das edições de 2018 e 2020 do relatório "Doing Business" do Banco Mundial, acusando Georgieva de ter pressionado as suas equipas, quando era dirigente daquela instituição, para dar à China uma classificação mais favorável.

A investigação foi realizada a pedido do comité de ética do Banco Mundial, depois de o relatório, que classifica os países de acordo com a facilidade em fazer negócios, se ter tornado objeto de muita controvérsia e ter levado à demissão do antigo economista-chefe Paul Romer.