Cultura

Cantor R. Kelly considerado culpado por abuso e tráfico sexual

Pool / Getty Images

O tribunal deu como provado o envolvimento em oito casos de tráfico sexual e um de crime organizado

O cantor R. Kelly era acusado de ter liderado durante vários anos, em Chicago, uma rede criminosa de tráfico sexual de mulheres e menores de idade, alegadamente também abusadas fisicamente e psicologicamente pelo artista norte-americano de 54 anos.

Esta segunda-feira o autor do sucesso “I Believe I Can Fly” foi considerado culpado pelo tribunal de todos os crimes que lhe eram imputados e arrisca uma sentença que pode ir desde 10 anos de prisão até prisão perpétua.

A sentença de R. Kelly — que já havia sido alvo de 14 acusações de pornografia infantil no passado, das quais foi absolvido em 2008 — será conhecida no dia 4 de maio de 2022.

O esquema ilegal, encabeçado pelo cantor durante mais de duas décadas, envolvia empresários, seguranças e outras pessoas que recrutavam mulheres e menores de idade das quais R. Kelly abusava sexualmente, além de registar esses atos em filmes pornográficos.

Várias testemunhas ouvidas no processo contaram terem sido submetidas a práticas sexuais perversas e brutais quando ainda eram menores de idade.

Os relatos começaram a ter exposição mediática após ter sido lançado, em 2019, a série documental “Surviving R. Kelly”, onde várias vítimas diziam ter sido silenciadas ao longo dos últimos 20 anos. Meses depois de o documentário ter sido divulgado, o cantor foi detido.

As vítimas, muitas delas aspirantes a uma carreira na música, eram atraídas por R. Kelly, alguém que viam como um mentor. Era convidadas para visitar o estúdio do artista e passavam a frequentar a sua casa.

A promotora Maria Cruz Melendez afirmou em tribunal que R. Kelly tentava "dominar e controlar fisicamente, sexualmente e psicologicamente" as vítimas, usando "todos os truques de um predador sexual".

De acordo com o “New York Times”, o cantor, que negou todas as acusações em tribunal, ficou sentado e não esboçou qualquer reação ao conhecer o veredito do júri constituído por 12 pessoas.