Exclusivo

Cultura

José Cardoso Pires. A biografia brilhante de Bruno Vieira Amaral

Rui Ochoa

Bruno Vieira Amaral assina uma biografia capaz de iluminar a vida e a obra, os triunfos e as contradições de José Cardoso Pires, um dos maiores escritores portugueses do século XX

Frente a um espelho, José Cardoso Pires enfrenta José Cardoso Pires, enquanto fuma um cigarro e “golpeia a memória”, ajustando contas com esse homem orgulhoso que “pouco fez para mudar as coisas e muito para não se deixar mudar”. De um rigor absoluto, o olhar é o mesmo com que observava e descrevia as personagens das suas ficções. A idade? “Cinquentas, meio século de vislumbrada malícia de si mesmo e de nicotina.” Há uma dureza que se desfaz a custo: “De quando em quando noto-lhe talvez um perpassar de ironia a traquinar-lhe o rosto, mas se o tem é luz breve e para mais magoada.” O balanço existencial resume, de certa maneira, o tom geral da sua obra. “É este o homem que te contempla, José. Que te fuma. Que te duvida.” O autorretrato está no texto “E Agora, José?”, incluído no livro epónimo, de 1977.

Este é um artigo do semanário Expresso. Clique AQUI para continuar a ler.